Seturn - 17/01/22

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

02/01/2012 10h59

Saiba como proteger suas finanças e não ficar 2012 no vermelho

Especialistas apontam algumas estratégias financeiras defensivas, que merecer ser analisadas este ano.

notícias relacionadas

O ano que se inicia não deve ser muito diferente de 2011 em relação à economia e às incertezas internacionais. De acordo com as expectativas da maioria dos analistas econômicos, a crise da dívida soberana na zona do euro ainda não deu sinais definitivos de arrefecimento e a volatilidade deve continuar imperando nos mercados globais em 2012, na esteira do que vivemos em 2011.

Neste cenário, o especialista em finanças da MoneyFit, André Massaro, aponta algumas estratégias financeiras defensivas que merecem ser analisadas este ano. "Uma coisa interessante nessas estratégias é que, com raras exceções, 'mal não vão fazer'", afirma.

"Se as previsões mais pessimistas sobre o ano que vem estiverem completamente erradas e tivermos mais um ano de crescimento e euforia econômica, o pior que pode acontecer é ter vivido o ano de forma menos intensa, mas com uma situação mais equilibrada no final", completa.

Confira as estratégias:

1 - Fuja das dívidas
De acordo com Massaro, o primeiro passo de uma postura financeiramente defensiva é parar imediatamente de fazer dívidas e adotar uma postura de viver de acordo com a própria realidade. "É importante notar que não estamos falando de um problema financeiro, mas sim comportamental e disciplinar, que afeta diretamente a vida financeira", diz o especialista.

Ele ressalta que, diferentemente de empresas, raramente uma pessoa física consegue tomar dinheiro emprestado e, de alguma forma, se beneficiar da alavancagem. "Pessoas físicas geralmente usam crédito para o consumo, não para gerar algum retorno que seja superior ao custo desse crédito", diz. Por isso, pense bem antes de se endividar em 2012.

2 - Espere o melhor, mas prepare-se para o pior
Massaro ressalta que quem consegue passar pela primeira - e mais difícil - etapa (parar de se endividar) precisa começar a se preocupar em ter uma reserva financeira líquida e de fácil acesso para situações emergenciais, como a perda repentina do emprego.

"Hoje, muitos brasileiros têm patrimônio zero ou negativo, por conta do endividamento. Eliminar o endividamento é fundamental para que se possa pensar em começar a constituir uma reserva", aponta.

Segundo ele, é importante criar uma regra para evitar sustos em casos de emergência. "Normalmente recomenda-se às pessoas que procurem guardar algo entre 10% e 15% de suas rendas mensais, mas, na iminência de cenários ruins, quanto maior o percentual, melhor", aconselha o especialista.

3 - Invista defensivamente
Para o especialista, quem tem dinheiro investido deve ficar atento a algumas regras básicas do gerenciamento de riscos em 2012. "Investir defensivamente exige que adotemos uma 'política de risco' para nossas decisões, e um grande desafio é estabelecer essa política de uma forma coerente e objetiva, sem deixar que nossas emoções e nossas percepções nos traiam", diz.

Segundo Massaro, o procedimento mais básico e eficaz é a diversificação, tanto entre categorias (renda fixa e renda variável), como entre emissores (títulos públicos e privados), no caso de renda fixa, e diferentes empresas e segmentos, no caso de renda variável.

Ele lembra que, em situações de incerteza, é comum as pessoas darem maior peso em suas carteiras de investimento para títulos de renda fixa emitidos por governos e comprarem ações de empresas de setores tradicionais, com reputação de serem boas pagadoras de dividendos. "Esta é uma boa prática para o investidor não profissional, cuja maior preocupação é a defesa do patrimônio", afirma.

4 - Aproveite as oportunidades
O especialista da MoneyFit lembra que grandes fortunas e ótimas oportunidades podem surgir nas épocas de crises. Por isso, ele diz que é importante ficar atento para não perder boas chances de ter uma vida financeira mais tranquila.

"Vamos começar a traçar cenários e imaginar que, no ano que vem, tudo dê errado e a economia 'vá para o buraco' de vez. Como poderíamos ganhar com isso? (...) Quais seriam os negócios 'contra cíclicos' que poderiam gerar riqueza quando a economia vai mal?", questiona e aconselha uma reflexão sobre o assunto.

Entretanto, ele ressalta que, para explorar adequadamente as grandes oportunidades, é bom estar com a vida financeira bem resolvida e equilibrada. "Por isso, não se esqueça das estratégias anteriores", conclui.

 

Fonte: Infomoney


0 Comentário

Avenida Natal, 6600 - Rodovia Br 101 - Taborda | São José de Mipibú/RN CEP | 59.162-000 | Caixa Postal: 50
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo