Biometria

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

31/07/2018 09h44

Potiguares irão desembolsar pouco mais de R$100 com presentes para Dia dos Pais 2018, aponta IPDC da Fecomécio

Em Natal, o gasto médio será de R$ 105,17, valor 3,1% maior do que no ano passado. Em Mossoró, alta será de 2,2%, e gasto médio atinge R$102,49.

O Dia dos Pais marca a abertura do calendário de datas comemorativas que movimentam o comércio brasileiro no segundo semestre. O segundo domingo de agosto (que este ano será no dia 12), estimula vários segmentos do comércio na esteira da busca de presentes para pais, avós, maridos, sogros ou alguém que assuma o papel da figura paterna.

 

Como forma de levantar dados que possam subsidiar os comerciantes de Natal e de Mossoró, o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio da Fecomércio RN (IPDC/Fecomércio RN) foi às ruas no período de 10 a 14 de julho (Natal) 16 a 18 de julho (Mossoró) para saber o que os consumidores procuram, quanto pretendem gastar e fatores que podem garantir a venda.

 

Na capital, foram entrevistadas 652 pessoas das quatro zonas administrativas do município, e delas 57,5% têm a intenção de presentear, o que representa um aumento de 2,2 pontos percentuais (p.p) em relação à pesquisa realizada no ano passado (55,3%). Neste caso, os natalenses irão desembolsar uma média de R$ 105,17 para comprar o presente para o Dia dos Pais, acréscimo de 3,1% em comparação a 2017 (R$ 101,96). A maioria (79,3%) irá comprar apenas um presente.

 

Entre os 42,3% de consumidores que não irão presentear na data, 52,8% afirmaram que não têm a quem presentear; 22,4% declararam que estão sem dinheiro; 5,5% não têm o costume de dar presentes na data; 5,1% disseram que o pai mora distante; e outros 5,1% estão desempregados.

 

Os produtos mais procurados pelos consumidores serão: Artigos de Vestuário (54,2%); Perfumaria e Cosméticos (16,9%); Calçados e Acessórios (13%); Eletrônicos e Celulares (5,6%); e Relógios e Joias (1,3%). Os que serão mais presenteados, segundo o levantamento do IPDC da Fecomércio RN, serão os pais, com 80,3% das respostas, seguido dos esposos (19,7%); sogros (4,6%); mães (3,3%); avôs (2,3%).

 

Para comprar o presente, o local mais procurado serão os shoppings centers, com 48,2% das intenções. As lojas do comércio de rua aparecem com 39% da preferência. Os empresários devem investir em promoções e descontos para garantir a compra, já que estes foram os itens lembrados por 39,1% e 32,1% dos entrevistados, respectivamente. O atendimento oferecido (24,2%); a facilidade na forma de pagamento (6,4%); o sorteio de prêmios (4,8%); e a distribuição de brindes (4,4%) também foram itens citados pelos entrevistados.

 

A pesquisa do IPDC demostra que, presenteando ou não, 35,2% dos consumidores irão celebrar o Dia dos Pais deste ano. Outros 62,7% disseram que não pretendem fazer nenhuma comemoração especial durante a data. Dentre os consumidores que pretendem celebrar a data este ano, 22,2% informaram que irão comemorar na casa de familiares; outros 11,3% vão a restaurantes; e apenas 1,2% viajarão para algum lugar especial (1,2%).

 

Mossoró

 

De acordo com a pesquisa de intenções de compras para o Dia dos Pais 2018 de Mossoró, onde foram entrevistadas 500 pessoas, a parcela dos que pretendem comprar presentes este ano é de 54,3%, índice 1,4 ponto percentual superior ao de 2017, quando a intenção de compras era de 52,9%. Entre os 45,7% que responderam que não irão presentear, os principais motivos alegados foram: não ter quem presentear (53,1%); e falta de dinheiro (22,8%).

 

Conforme os dados da pesquisa, o valor médio do presente que os mossoroenses irão comprar para este ano será de R$ 102,49, um aumento de 2,2% se comparado ao valor do ano passado, que foi de R$ 100,28. Serão contemplados não só os pais (82,7%), como também os esposos (14,8%); os avôs (5,2%); os sogros (5,2%); as mães (4,4%); os tios/padrinhos (1,5%); os irmãos (1,1%); entre outros.

 

Entre as opções de presente, os produtos de vestuário (57,9%) terão preferência. Em seguida aparecem os Perfumes e Cosméticos (14,8%); Calçados, Carteiras e Cintos (11,1%); Eletrônicos e Celulares (3,7%); Relógios e Joias (2,6%).

 

Na hora de comprar os presentes do Dia dos Pais, a maioria dos consumidores de Mossoró devem escolher o comércio de rua (63,1%); seguidos dos shoppings centers (26,9%); e internet (4,8%). A escolha do local vai depender de alguns fatores como: preço (33,2%); diversidade dos produtos oferecidos (32,5%); e proximidade/localização do estabelecimento (22,5%). Em Mossoró, 77,5% dos entrevistados pretendem fazer pesquisa de preço antes de efetivar a compra. Na opinião dos consumidores, as promoções (43,6%); o atendimento (30,4%); e os descontos (23,4%) seguem sendo os principais atrativos.

 

Ainda segundo o levantamento, 66,4% das pessoas disseram que não farão nenhuma comemoração especial com o pai. Dos 32,1% dos consumidores que pretendem comemorar de alguma forma, 19,3% devem almoçar ou jantar na casa de familiares; e 10% devem comemorar em restaurantes.

 

Percepção econômica dos natalenses e mossoroenses

 

O IPDC também questionou aos entrevistados, tanto em Natal quanto em Mossoró, como eles se posicionam para o consumo no atual momento da economia. Em Natal, 22,9% dos consumidores avaliaram como um momento ótimo ou bom; 49,4% afirmaram que o momento é apenas regular; enquanto 27,6% disseram que a situação é ruim ou péssima. Na mesma pesquisa realizada no ano passado, 23,2% consideravam o momento ótimo ou bom para compra de produtos; 48,2% regular e 28,5% ruim ou péssimo.

 

Sobre a situação financeira das famílias, 33% dos entrevistados consideram que estão em pior situação do que a do mesmo período do ano passado; 37,4% declararam estar em situação igual; e 29,6% acreditam que suas famílias melhoraram financeiramente em relação ao ano passado. Dados da pesquisa de 2017 mostravam que 37% estavam em pior situação financeira; 36,1% igual e 27% melhor.

 

Já na capital do Oeste, 18,2% das pessoas acham que o momento é ótimo ou bom para a compra de itens; 47,3% consideram o momento regular; e 34,5% dos consumidores entrevistados classificam como ruim ou péssimo. Na pesquisa do ano passado, 16,2% consideravam o cenário para compra de produtos ótimo ou bom; 46,3% achavam que era regular; e 37,6% avaliavam como ruim ou péssimo.

 

Em relação à situação financeira das famílias, 36,5% dos consumidores mossoroenses entrevistados declararam estar em situação pior do que a do mesmo período em 2017; 34,5% afirmaram que estão em situação igual; e 29,1% acreditam estar em situação melhor. Na pesquisa realizada em 2017, 40,2% analisavam como pior a situação financeira das famílias em relação ao ano anterior; 34,3% ponderavam como igual; e 25,5% diziam estar em melhor situação.

 

Os relatórios completos podem ser acessados no link: http://fecomerciorn.com.br/pesquisas/.

 


0 Comentário

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo