Censo - maio

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

15/01/2016 14h42

Pesquisa CNI mostra que emprego na indústria cai pelo décimo mês consecutivo

Trata-se da décima queda consecutiva do indicador, que ficou 8,5% menor do que o registrado em novembro de 2014

notícias relacionadas

A nova rodada da Pesquisa CNI sobre atividade econômica e produção industrial mostra que o emprego na indústria de transformação brasileira caiu 0,8% em novembro na comparação com outubro de 2015. Trata-se da décima queda consecutiva do indicador, que ficou 8,5% menor do que o registrado em novembro de 2014. A pesquisa foi divulgada nesta sexta-feira, 15 de janeiro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A queda do emprego é resultado da forte retração da atividade industrial ao longo do ano passado. "O indicador de horas trabalhadas na produção alcançou dois dígitos de janeiro a novembro na comparação com o mesmo período de 2014, confirmando a trajetória negativa da produção na indústria", afirma o gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

Conforme a pesquisa, em novembro, o faturamento do setor caiu 2,7% e as horas trabalhadas na produção recuaram 1,7% frente a outubro, na série livre de influências sazonais. Na comparação com novembro de 2014, o faturamento teve queda de 13,3%, e as horas trabalhadas na produção diminuíram 12,1%. O nível de utilização da capacidade instalada recuou 0,4 ponto percentual em novembro na comparação com outubro e ficou 3,7 pontos percentuais abaixo do de novembro de 2014, mostra a pesquisa da CNI.

 

PERSPECTIVAS

Os únicos indicadores que tiveram resultado positivo na comparação mensal foram os relativos à remuneração dos trabalhadores: a massa salarial real e o rendimento médio real. A massa salarial real aumentou 0,4% e o rendimento cresceu 1,1% em novembro frente a outubro na série dessazonalizada. No entanto, na comparação com novembro de 2014, a massa real de salários diminuiu 9,1% e o rendimento real caiu 0,7%.

​​A alta de novembro, segundo Castelo Branco, se deve ao pagamento do 13º salário e de indenizações para os empregados demitidos. Essa trajetória não se manterá nos próximos meses, porque não há sinais de reativação da produção. "Os dados das vendas no varejo estão muito ruins, sinalizando que a indústria não terá necessidade produzir mais para repor estoques. A queda na atividade deve se repetir em 2016 com reflexos no emprego e na remuneração dos trabalhadores", observa o economista.

 

Fonte: Fiern


0 Comentário

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo