SELECT depoimentos.*,usuarios.nome as 'autor', usuarios.email as 'email', usuarios.funcao as 'autorfuncao' FROM depoimentos INNER JOIN usuarios ON (depoimentos.idusuario = usuarios.idusuario) WHERE (depoimentos.ativo > 0) AND (depoimentos.idusuario = 8) ORDER BY depoimentos.datacadastro DESC LIMIT 70,5 Portal Mercado Aberto
Promoção Estudande

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

Apesar da crise, vendas de smartphones sobem no Brasil

08/04/2015 18h12

Indo na contramão dos produtos comercializados no varejo, os celulares smartphones estão entre os itens mais consumidos em 2014. Pelo menos 54,5 milhões de unidades foram vendidas, o equivalente a 55%, se compararmos com 2013. Os dados foram divulgados na última segunda-feira (6) pela consultoria IDC Brasil, que projeta crescimento de 16% para 2015.

Ainda segundo o estudo, somando a categoria de aparelhos mais simples, aqueles sem internet, câmera fotográfica ou aplicativos modernos, o mercado de celulares encerrou 2014 com alta de 7%, num total de 70,3 milhões de aparelhos comercializados, deixando o Brasil na quarta colocação entre os maiores mercados do mundo, atrás apenas de China, Estados Unidos e Índia.

Especialistas avaliam esse crescimento como consequência das vendas na Black Friday, bem como a oferta de produtos mais baratos de algumas marcas. Em algumas lojas, os aparelhos mais simples são comercializados em torno de R$ 290. Para 2015, a IDC Brasil projeta a venda de 63,3 milhões de aparelhos.

 


Vendas na páscoa decepcionam, mas ocupação nos hotéis é destaque no RN

07/04/2015 18h13

Segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira (6) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), houve uma retração de 4,93% nas vendas de páscoa este ano. Em 2014 o volume foi positivo, comerciantes venderam cerca de 2,55%. Em contrapartida, o turismo teve um aumento considerável em Natal e no litoral do Rio Grande do Norte. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH/RN), 95% dos leitos em hotéis de Natal e região litorânea foram ocupados no feriadão da Semana Santa. A associação estima um crescimento de 7% em relação à ocupação do ano passado.

O dólar alto tem seus malefícios para a economia, mas acaba favorecendo o turismo interno. Muitas pessoas deixaram de viajar para fora do país e preferiram as praias do Nordeste. Além de a moeda americana estar mais valorizada frente ao real, alguns incentivos oferecidos pelo Governo do Estado também caíram nas graças das agências de viagens, que voltaram a apostar no Rio Grande do Norte como destino turístico, organizando promoções e melhores condições de pagamentos.

Em Natal, ainda segundo dados da ABIH, o perfil do turista foi o regional vindo de estados vizinhos. A associação também aponta que houve uma mudança no tipo de turismo consumido no Estado. O mercado de lazer, principal nicho na capital, se manteve aquecido e deverá ser beneficiado com a alta do dólar. Já o turismo corporativo, segue a tendência de retração verificada em todo o país, com redução de número de viagens e realização de eventos por empresas.

 


Contas do governo registram pior resultado para fevereiro em 19 anos e investimentos em obras públicas diminuem

06/04/2015 18h17

A crise econômica no Brasil atingiu um novo patamar no mês de fevereiro. Segundo dados do Tesouro Nacional, divulgados na última quinta (2), o rombo nas contas do governo federal atingiu cerca de R$ 7,35 bilhões, marca que não era batida desde o início de sua série histórica, em 1997. Isso representa mais que o dobro dos números registrados em 2014. Ainda segundo dados oficiais, as contas do governo tiveram um déficit primário de R$ 3,11 bilhões no ano passado. Até então, o pior resultado para o segundo mês do ano havia sido registrado em 2013, quando as contas ficaram no vermelho em R$ 6,61 bilhões.

O governo também reduziu o número de investimentos em obras públicas, o que agrava a tendência de recessão na economia. A Folha de São Paulo divulgou ontem (5) um levantamento mostrando que as despesas com obras de infraestrutura e compras de equipamentos caíram 31,3% no Tesouro Nacional e 23,3% nas estatais. Foram investidos apenas dois terços da soma aplicada no mesmo período do ano passado.

Reduzir investimentos é dar um tiro no próprio pé, tendo em vista que esses recursos movimentam a economia, proporcionando fôlego aos cofres públicos. Sem a continuidade nas obras, há estagnação do mercado e consequentemente redução no número de postos de trabalho. Desde que a luta para concessão do ajuste fiscal se instaurou no país, mais de 25 mil empregos foram eliminados, principalmente na área de construção civil.

 


Negociação da Arena das Dunas deve ser positiva para RN

01/04/2015 17h46

Investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, o Grupo OAS apresentou na última terça-feira (31), um pedido de Recuperação Judicial de nove de suas empresas à Justiça do Estado de São Paulo. Segundo o documento, 100% dos ativos da Arena das Dunas serão colocados à venda, assim como 50% da Arena Fonte Nova, em Salvador.

As dificuldades da OAS começaram em novembro, a partir das investigações sobre a Petrobras e o suposto envolvimento em corrupção pela operação Lava Jato, da Polícia Federal. As dívidas da construtora somam algo em torno dos R$ 8 bilhões, e devem ser pagas com a venda de alguns investimentos que ultrapassam os limites da construção civil.

A construção da Arena das Dunas custou R$ 423 milhões, com R$ 100 milhões investidos pela OAS e o restante financiado pelo Governo do Rio Grande do Norte através do BNDES. Quem comprar o estádio vai comprar também a dívida da empresa com o banco. Lembrando que a Arena das Dunas continua sendo um patrimônio público, pago em concessão que garante ao novo comprador a exploração da estrutura pelos próximos 30 anos.

A negociação é positiva para o Estado porque a OAS não tem foco na administração de uma arena multiuso, provavelmente o grupo que vai adquirir o empreendimento terá mais experiência nessa área, e poderá ampliar a diversificação de seu uso.

 


Estudo mostra itens que a classe C deixou de consumir e o que passou a colocar no carrinho de compras

31/03/2015 17h49

A classe C foi o grande motor do desenvolvimento econômico do país nos últimos 10 anos, por isso começou a ter seus hábitos de consumo estudados por empresas das mais diversas áreas, que delinearam estratégias para conquistá-los. É importante saber para onde esse consumidor está indo e o que ele está buscando. Segundo estimativas de algumas consultorias, a classe C movimenta hoje mais de R$ 1 trilhão para gastar em consumo ao longo de 2015. É uma fatia de público que definitivamente não pode ser desprezada.

Uma pesquisa divulgada ontem pela Kantar Wordpanel, a pedido da Folha de São Paulo, mostra os principais itens que perderam espaço no carrinho de compras desses consumidores em 2014, assim como os produtos que agora são os queridinhos da categoria.

Cremes e loções corporais lideram o ranking das coisas que perderam o interesse da classe C, com uma queda de 6%. Em seguida vem a polpa e purê de tomate (-4%), suco concentrado (-4%) e o sabão em pedra (-4%). Enquanto isso, o detergente líquido só sobe, de acordo com a pesquisa está em alta, com o crescimento de penetração em 10%. Mas não é, nem de longe, o fim do sabão em pedra, que é comprado por 80% das famílias brasileiras de classe C ao menos uma vez por ano.

Outro item que ganhou lugar cativo no carrinho deste público foi o iogurte grego, e mesmo sendo mais caros do que os iogurtes tradicionais, atingiu os 24% positivos na pesquisa. Também decolaram alvejantes sem cloro (11%), suco pronto para beber(9%) e bolo industrializado (7%). Ficou muito claro que a classe C está refinando os seus hábitos de consumo e o mercado precisa ficar atento à isso.

 


Anterior6|7|8|9|10|11|12|13|14|15|16|17|18|19|20|21|22|23|24Próxima

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo