SELECT depoimentos.*,usuarios.nome as 'autor', usuarios.email as 'email', usuarios.funcao as 'autorfuncao' FROM depoimentos INNER JOIN usuarios ON (depoimentos.idusuario = usuarios.idusuario) WHERE (depoimentos.ativo > 0) AND (depoimentos.idusuario = 8) ORDER BY depoimentos.datacadastro DESC LIMIT 45,5 Portal Mercado Aberto
Prefeitura

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

Técnicos da Latam chegam à Natal para avaliar proposta do Hub

02/07/2015 16h55

Forças políticas do Rio Grande do Norte passaram os últimos dias se preparando para receber mais uma visita dos técnicos da Latam, responsáveis por avaliar os aeroportos que receberão o primeiro Hub da companhia na região Nordeste. Os técnicos chegaram em Natal na manhã desta quinta-feira (2), e passaram o dia reunidos com lideranças das prefeituras de Natal e São Gonçalo do Amarante, além do governador Robinson Faria. Na ocasião, o Executivo entregou um pacote de incentivos para que o estado seja escolhido como sede.

O principal argumento apresentado pelo governo para ganhar da concorrência é justamente a retomada das obras dos acessos ao Aeroporto Internacional Governador Aluísio Alves, um dos únicos pontos negativos que poderiam colocar Natal fora da disputa. O governador Robinson Faria visitou nesta quarta-feira (1) as obras do acesso norte, e prometeu que o retomaria também as obras do acesso sul.

O pacote oferecido pelo Governo do Estado, com proposta de redução de tributos para compra de aeronaves, peças e serviços de catering, além da oferta de incentivos fiscais da prefeitura de São Gonçalo do Amarante, e da já vigente redução do ICMS do querosene da aviação (QAV), também foram apresentados no encontro. Outro ponto positivo é que o equipamento potiguar tem a maior capacidade de expansão, chegando a 50 mil m² de área de carga, dez vezes mais do que o Aeroporto Augusto Severo e bem maior do que a dos concorrentes. A área do entorno também é super favorável para abrigar hoteis e galpões.

A novidade da implantação do Centro de Distribuição dos Correios no equipamento também é favorável para a escolha do RN, já que demanda uma maior quantidade de vôos. A previsão é que o Centro gere uma média de 100 empregos diretos e movimentar mais de 40 mil encomendas no fluxo diário.do terminal dos correios também demanda voos.

 


Evento realizado pelo Sebrae indica mudanças no perfil dos exportadores nacionais

01/07/2015 16h10

Com o objetivo de incentivar a participação de micro e pequenas empresas no ramo da exportação, o Sebrae-RN, juntamente com o Sistema Fiern, lançaram nesta terça-feira (30) a 18ª edição do Encontro Internacional de Negócios do Nordeste, que será realizado em Natal, entre os dias 30 de setembro e 2 de outubro. As inscrições vão até o dia 20 de julho e podem ser feitas no site www.einne.com.br ou pelo telefone 84 3616-7858. Os interessados também podem se inscrever pelo e-mail einne@rn.sebrae.com.br.

A expectativa da organização é que, pelo menos, 200 empresas participem como fornecedoras, oferecendo produtos e serviços a 30 empresas nacionais, 20 locais e 80 estrangeiras. O Sebrae estima que durante o evento sejam fechados cerca de R$ 1 milhão em contratos, e algo em torno de R$ 10 milhões em negociações posteriores.

Até pouco tempo atrás, apenas empresas de médio e grande porte estavam habilitadas e capitalizadas para exportar os seus produtos. Esse cenário vem mudando ao longo dos anos, e Sebrae é um dos grandes responsáveis por isso. A região Nordeste ainda engatinha no ramo, é responsável por apenas 7% do montante total comercializado pelo país no mercado internacional, é por isso que eventos como este são importantes para a economia regional, para que melhorar as relações entre as pequenas empresas nordestinas e grandes corporações estrangeiras, diversificando Mercado e atraindo novos clientes.

 


Cenário econômico do Brasil preocupa especialistas

26/06/2015 17h23

O governo federal essa semana, resolveu aumentar a transparência sobre os seus números. Até porque pouca gente acreditava nos números e projeções que o governo vinha divulgando, diante do que se está vendo no dia a dia, nas ruas e nos noticiários de uma maneira geral.

O governo começou a semana revisando para baixo a previsão de crescimento do nosso Brasil, da nossa economia ao longo deste ano. Havia uma expectativa de queda de pouco mais de 1% do nosso PIB, agora essa queda já deve chegar próximo dos 2%. Uma retração da atividade econômica. Também reviu para cima a inflação, que muitos especialistas já falavam que poderia chegar próxima dos dois dígitos ao longo do ano. O governo mantinha a sua expectativa de inflação na casa de 7% e agora já fala em algo próximo dos 9%. E aí, mais uma vez, os especialistas aumentam o pessimismo e dizem que se o governo assume até próximo de 9% é certo que passaremos dos dois dígitos na inflação ao longo de 2015.

Para completar, o governo também se viu obrigado a anunciar os dados do IBGE relativos ao desemprego. As seis principais regiões metropolitanas do Brasil apresentaram a maior taxa de desemprego desde maio de 2010, próxima dos 7% a média, com pico de quase 13% na região metropolitana de São Paulo, que é a maior e mais importante da nossa economia. E aí, na esteira, principalmente da crise do setor automobilístico, que viu suas vendas até maio despencarem quase 50%.

Nesse contexto, o governo viu também aprovar na câmara, depois de todo circo armado pelo presidente Eduardo Cunha, um aumento na taxação sobre a folha de pagamento, diminuindo a isenção que havia sido dada há cerca de quatro anos pelo próprio governo. Agora as empresas que pagavam 1% sobre seu faturamento em relação ao INSS passam a pagar 2,5% e aquelas que pagavam 2% passam a pagar 4,5%. O assunto ainda será discutido no senado mas essa medida já havia passado pelo senado então é muito provável que tenhamos esse aumento na folha de pagamento das empresas.

Então o cenário de hoje não é nada bom, infelizmente. E as notícias ruins só continuam surgindo, e o governo não anuncia nada que possa redundar em cortes na sua própria carga, nos seus próprios gastos. Esta sim, seria uma medida defectiva para começarmos a retomar nosso rumo.

 

 


Preço do querosene para aviação do RN será tema de conversas com a Petrobras

16/06/2015 18h04

As discussões sobre a possibilidade do Rio Grande do Norte ser beneficiado com a construção do Hub da Latam, no Aeroporto Internacional Aluísio Alves, vêm ganhando força nos últimos dias. Nesta segunda-feira (15), o governador Robinson Faria convocou uma reunião para debater estratégias e soluções para problemas pontuais que possam colocar o estado atrás dos vizinhos concorrentes, dentre elas está a negociação dos preços praticados pela Petrobras em cima do querosene de aviação (QAV).

A questão do preço do QAV no RN pode ser o diferencial do estado na disputa. O Governo do RN já havia se antecipado e reduzido o ICMS do combustível em fevereiro deste ano, mas se a Petrobras entrar no circuito e negociar preços diferenciados para o estado, as chances potiguares aumentarão. Esta já é uma prática comum no Ceará, onde a companhia entrega o querosene de aviação a um preço bem menor do que no Rio Grande do Norte. A intenção agora é que o mesmo seja aplicado no RN antes que saia a decisão da Latam sobre a localização do novo Hub, que deve ser anunciado até o final de 2015.

Outras medidas também estão sendo consideradas, e o Governo tem todo interesse oferecer novos incentivos tributários para instalação do Hub em Natal para compra de aeronaves, peças para as máquinas e em alimentos para as companhias aéreas. Além disso, a capacidade de ampliação do equipamento, a redução do ICSS pela Prefeitura de São Gonçalo do Amarante e também a possibilidade de ofertar um preço diferenciado de QAV podem colocar o RN à frente na disputa. Nesta quinta-feira (18), uma comissão técnica da TAM deve desembarcar no Aeroporto Aluísio Alves para mais uma avaliação.

 


Nova alta na inflação acende luz vermelha para Governo e mercado financeiro

11/06/2015 17h36

Os números oficiais da inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apontam que o Brasil alcançou 8,47% no acumulado dos últimos 12 meses. Segundo os cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2015 já acumulou uma aceleração de 5,37%, percentual muito próximo do que foi registrado em todo ano passado, onde a inflação atingiu 6,5%.

Especialistas apontam que esses números podem piorar e alcançar o segundo dígito ainda este ano caso nenhuma providência seja tomada. O novo índice é preocupante, considerado o maior desde 2003, e o resultado pode ser catastrófico para a economia e para o Governo Federal. Caso a previsão dos economistas se consolide, e a inflação brasileira atinja mesmo os dois dígitos, será o pior resultado registrado desde 1999, quando a economia do país ainda engatinhava.

No início de junho, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central elevou a taxa básica de juros Selic para 13,75% ao ano, numa tentativa de frear o aumento da inflação e continuar mantendo a economia do país nos trilhos. Os resultados do IBGE são prova de que a medida não funcionou. Caso esse índice não desacelere, vai ser difícil sustentar o consumo e o aumento de algumas tarifas que o governo conseguiu segurar no ano passado será inevitável. A tendência agora é de mais aumento na taxa de juros e a diminuição do número de investimentos federais.

 


Anterior1|2|3|4|5|6|7|8|9|10|11|12|13|14|15|16|17|18|19Próxima

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo