SELECT depoimentos.*,usuarios.nome as 'autor', usuarios.email as 'email', usuarios.funcao as 'autorfuncao' FROM depoimentos INNER JOIN usuarios ON (depoimentos.idusuario = usuarios.idusuario) WHERE (depoimentos.ativo > 0) AND (DATE(depoimentos.datacadastro) >= '2014-02-01') AND (DATE(depoimentos.datacadastro) <= '2014-02-28') AND (depoimentos.idusuario = 30) ORDER BY depoimentos.datacadastro DESC LIMIT 0,5 Portal Mercado Aberto
Natal Card - Gif Agosto

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

O que muda com a alta da SELIC.

27/02/2014 12h09

 

Ontem (26/02/14) o Comitê de Política Monetária (COPOM) revisou mais uma vez para maior a taxa básica de juros do país, a Taxa SELIC.

Por ser uma taxa de curtíssimo prazo, pois é a taxa de financiamento interbancário para operações de um dia, ou overnight, e também por refletir o risco do governo, a taxa SELIC é referência para todas as outras taxas da economia. Apurada pelo Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), a taxa interfere diretamente em investimentos indexados a ela, como por exemplo Fundos DI, CDBs, alguns títulos públicos e Letras de Crédito.

Devido a boa parte da carteira dos fundos DI ser composta de papéis pós-fixados, ou seja, seguirem a rentabilidade da taxa SELIC, a rentabilidade dos fundos acompanha movimentos de alta ou de baixa da taxa básica, bem como as outras modalidades de investimentos já mencionadas.

Portanto, a rentabilidade destes títulos deve acompanhar mais essa revisão de alta estabelecida pelo COPOM e assim melhorar os rendimentos dos investidores de títulos de renda fixa.

A projeção esperada para a SELIC até o final do ano de 2014 é nos patamares de 11,25%a.a., dos quais já se encontra a partir de hoje em 10,75%a.a.

Altas da taxa básica de juros refletem na maior aversão ao risco de renda variável por parte dos investidores, portanto normalmente os investidores tendem a investir mais em papéis de renda fixa do que em renda variável.

 

Adm. Roberto Davi Miranda

Consultor Financeiro

e-mail: robertodavi22@hotmail.com / Twitter: @rdavimiranda

 

 

Indicadores (pesquisa focus)

 

17/02/14

%

SELIC

11,25

IPCA

5,93

CÂMBIO

2,48

IGP-M

5,98

PIB

1,79

PRODUÇÃO INDUSTRIAL

1,93

RELAÇÃO DÍVIDA/PIB

34,80

 

 


Setor de EDUCAÇÃO deve apresentar resultados POSITIVOS.

25/02/2014 11h16

A safra de balanços referente ao quarto trimestre de 2013 (4T13) do setor de educação deverá começar em 27 de fevereiro, com a primeira divulgação sendo da Abril Educação S.A. (ABRE11).

Em seguida, no dia 18 de março, a Kroton (KROT3) divulgará também o seu resultado, acompanhada da Estácio, no dia 20. E por fim, a Anhanguera (AEDU3) anunciará os seus dados trimestrais no dia 27 de março.

Os analistas de mercado esperam que a Estácio e a Kroton apresentem bons resultados no 4T13, com crescimento de receita líquida, bem como das margens de rentabilidade operacionais, como aconteceu nos trimestres anteriores.

A Anhanguera deve apresentar uma evolução apenas no que diz respeito ao trimestre anterior, mas ainda com uma performance relativamente fraca.

A Abril Educação, estima-se, provavelmente terá um avanço da receita líquida em relação ao mesmo período de 2012. Esse avanço se deve a aquisições realizadas no período e concentração do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) no 4T13.

 

Adm. Roberto Davi Miranda

Consultor Financeiro

e-mail: robertodavi22@hotmail.com / Twitter: @rdavimiranda

 

Indicadores (pesquisa focus)

 

17/02/14

%

SELIC

11,25

IPCA

5,93

CÂMBIO

2,48

IGP-M

5,98

PIB

1,79

PRODUÇÃO INDUSTRIAL

1,93

RELAÇÃO DÍVIDA/PIB

34,80

 

 

 

 



Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo